Está provado! Quer emagrecer? Dietas restritivas… Nunca mais!

A nutricionista Sophie Deram, doutoranda da Faculdade de Medicina (FMUSP), propõe uma nova maneira de ver a nutrição. Baseada em estudos científicos, a autora do livro  O peso das dietas  comprova que as dietas restritivas promovem, em longo prazo, ganho de peso e prejudicam a saúde de quem se submete a tais procedimentos radicais.

Com uma abordagem inédita, Sophie foi a fundo em todas as pesquisas feitas sobre o tema nos últimos anos e chegou à conclusão que as famosas dietas podem até funcionar no começo, mas cerca de 90% ou 95% das pessoas voltam ao peso inicial, ou até o ultrapassam. Ela explica que isso acontece porque o cérebro não entende a mudança repentina na alimentação como algo benéfico. Pelo contrário: “O seu cérebro não percebe a perda de peso como um sucesso de beleza; percebe como um grande perigo, e por isso, desenvolve mecanismos de adaptação para proteger você”, explica.

A pesquisadora ainda alerta sobre o perigo das dietas e afirma que deixar de fazê-las é o caminho para viver com qualidade e com o peso saudável. (material publicado pelo jornal da USP) http://jornal.usp.br/ciencias/ciencias-da-saude/dietas-restritivas-causam-prejuizo-a-saude-e-ganho-de-peso-em-longo-prazo/

Uma questão fundamental no emagrecimento ou manutenção de peso é a saciedade!
Quem vive tentando restringir o volume de alimentos ingeridos mantém um relacionamento estressante com a comida.  Aquela famosa briga interna quando o desejar e o não poder não dão trégua, em um confronto em que o desejo sempre acaba vencendo.

Mas como manter a saciedade e ainda emagrecer?
Por mais que pareçam condições opostas, pode acreditar que não são.
Esqueça a ideia de retirar alimentos da rotina.
A REGRA é INCLUIR.

No momento em que passarmos a incluir e estabelecermos metas de inclusão de alimentos, tornaremos a nossa alimentação equilibrada, mais feliz e manteremos à saciedade em dia. Pense em quantas frutas, legumes e verduras você tem consumido por dia. Estamos deixando de lado justamente os alimentos que nos proporcionam a saciedade. Esses alimentos são capazes de modificar definitivamente a nossa realidade alimentar, transferindo para as nossas mãos o tão sonhado controle sobre nossas atitudes diante de uma refeição.

Do descontrole frustrante ao controle natural, com  escolhas  mais racionais de  qualidade  e  frequência. O desejo  passa de  um “leão indomável”,  a  um “gatinho adorável”, e assim poderemos satisfazê-lo com muito menos. Basta manter a saciedade, antecipando-se  à fome, ingerindo  os grupos alimentares em equilíbrio,  para  conquistar o autocontrole como troféu e o emagrecimento apenas como consequência.

Ter peso sustentável é consequência, é resultado de um conjunto de hábitos equilibrados!

Nossos hábitos são ações, que por sua vez são resultados de escolhas repetidas, automatizadas pelo cérebro para economizar energia e poder se concentrar naquilo que considera realmente importante. Portanto tudo o que você escolhe incluir na sua vida, após algumas repetições se tornará um novo hábito. Por exemplo, o hábito de comer sobremesa. Você não avalia se vai comer ou não, mesmo que não esteja com fome ou vontade, simplesmente irá comer e esse hábito ao longo dos anos pode determinar o seu peso e o seu estado de saúde.

Transformar boas escolhas em hábitos depende de vigilância por um determinado tempo, porém, após algumas repetições, o novo hábito estará estabelecido. E para garantir a implementação de hábitos alimentares adequados, precisamos somar prazer e saciedade na alimentação, deixando nossas próprias receitas equilibradas e gostosas, incluindo os grupos alimentares que ficaram de fora e comendo a quantidade que nos deixe satisfeitos e felizes.

Pense no equilíbrio entre os grupos alimentares, não nas calorias. Elas se tornam pouco relevantes quando os alimentos são nutritivos, pois o mecanismo de absorção é diferente do mecanismo de absorção dos pouco nutritivos e a restrição de volume definitivamente não funciona por muito tempo.

Portanto o foco deve estar na inclusão de alimentos (frutas, legumes, verduras, alimentos integrais, água, boas fontes proteicas e de gorduras), sem regras de exclusão de nada.

Contemplando todos os grupos e cumprindo as metas das quantidades a serem incluídas, você inevitavelmente terá um peso sustentável. Vamos  esquecer o controle do volume do que ingerimos e nos preocupar em vigiar nossos hábitos, fazer melhores escolhas, incluindo qualidade à alimentação.

Janaina Kühn Barni

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *